.
     
     

 


 
.

 

 


Você está aqui!

 Recessão Afetiva
 Voltar para última página visitada...

 


 

Recessão Afetiva

Uma Ameaça Real à Nossa Civilização

 

 

Muita coisa tem se falado nos últimos anos – tanto na mídia em geral como em conversas particulares - sobre o desequilíbrio do meio ambiente terrestre, sobre os distúrbios da economia mundial e sobre a questão da ausência cada vez maior de uma ética do bem nas ações cotidianas da sociedade humana. Mas, que eu me lembre, pouco se falou sobre uma diminuição crescente do afeto nas relações humanas.

Resolvi escrever este artigo para abordar com maior profundidade este tema, enxergando-o à luz da Engenharia Dimensional.

Aos olhos da Engenharia Dimensional a espécie humana vive uma forma de evolução que a leva a migrar de universos com bases de eventos matematicamente menores para universos com bases maiores num processo sem fim.

Na iminência de ingressarmos num novo universo somos alterados geneticamente pelo teor das soluções de realidade que vivemos, e deixamos para trás, para ficarmos operacionais dentro da nossa nova morada.

Nos vivemos no momento num universo que processa eventos na base 10 e que gerencia suas infinitas soluções de realidade através de 9 dimensões físicas. E por esta razão qualquer forma de vida física dentro dele ocorre entre as dimensões 1 e 8.

Dele migraremos para um outro na base 11, depois para um outro na base 12, e assim sucessivamente, sem que jamais esta caminhada termine.

E, por exemplo, enquanto que em nosso universo atual, de base 10, possuímos 9 Salas de Armazenamento de Fragmentos de Experiências em Nosso Inconsciente, num universo de base 38 nosso cérebro funcionaria com 37 Salas. E, evidentemente, dentro dele nossa percepção de qualquer Solução de Realidade seria extremamente mais complexa.

Imagine então um ser habitando um universo de base 3500. Com certeza o uso da palavra Deus para nomear um ser com poderes muito acima dos nossos se torna sem sentido, pois passa ser apenas um retrato das nossas próprias limitações evolutivas num determinado momento.

Um ser de um universo de base 38 teria, com certeza, poderes divinos perante os membros mais inteligentes e preparados da nossa civilização e, por outro lado, ele enfrentaria o mesmo problema ao se comparar com um ser de um universo de base 80 só para exemplificar.

Portanto, filosofando - mas com um raciocínio lógico bastante consistente – poderia afirmar que DEUS, o DEUS das religiões com um conteúdo teológico respeitável, vive num universo de base infinita e que evoluímos na sua direção para um dia, no infinito, nos juntarmos a ELE.

A morte é o fim de tudo? Não, apenas uma passagem para a nona dimensão, a transcendência, que é onde ocorre a continuação da sua vida sem a necessidade de um corpo físico. Pelo menos é assim que a Engenharia Dimensional compreende matematicamente esta questão.

A dimensão de transcendência é usada como um recurso evolutivo para que um ser vivo, em forma energética, possa avaliar, por algum tempo, o que aprendeu quando possuía um corpo. E as dimensões de transcendência em outros universos possuem a mesma função.

Todas as formas de vida dentro do nosso universo possuem 2 memórias. Uma operacional que somente funciona quando estamos em nossa forma física – e que fica gravada em nosso cérebro e se perde quando nossa unidade biológica para de funcionar - e outra inconsciente, que funciona como um disco rígido de um computador que armazena todas as nossas experiências, vividas ao longo das diversas ocasiões que estivemos vivos fisicamente, e que fica gravada permanentemente em nossa essência.

Por isso o número que define – para a Engenharia Dimensional -  uma vida na sua forma física é o 18 e costumo a chamar o que ocorre entre a primeira e a oitava dimensões de “O Aqui e Agora” das nossas vidas.

A maioria dos seres humanos precisa viver algumas vezes sob a forma física – com roteiros e personagens diferentes – para descobrir o caminho que os levará a sair do nosso universo e entrar no universo de base 11, que como acabei de mencionar é um universo que contém o nosso e processa eventos na base 11. E uma vez dentro dele assumem um novo tipo de individualidade com o qual passam viver existências físicas evolutivamente mais avançadas.

Cada vez que transcendemos, após termos experimentado uma nova existência  física, nos aproximamos um pouco mais do portal de inexistência do nosso universo, que é a porta que nos permite ingressar na base 11.

Pelo portal da inexistência somente um ser que se tornou energeticamente 100% puro afeto passa, pois o afeto puro é a única forma energética com a qual a essência humana se torna capaz de navegar eternamente, universo após universo, pelos infinitos portais de inexistência.

Para a Engenharia Dimensional existem partículas denominadas Trítons, que com certeza serão em breve descobertas em laboratório pela física experimental, que são responsáveis pela adição de vida a matéria e os Trítons ao evoluírem sofrem uma supersimetria que é um fenômeno físico onde se juntam, fundindo-se, dando origem, cada 2 deles, a uma nova partícula chamada Héxion. Um Héxion é uma partícula sem massa que é formada por uma campo de força de afeto.

Os Trítons estão associados a terceira dimensão do nosso universo, e a Sala 3 do nosso Inconsciente, e os Héxions a sua sexta dimensão e a nossa Sala 6.

Os Héxions poderiam ser vistos no mundo das micro-partículas como as partículas responsáveis pela adição da condição de família a matéria no nosso universo.

E os Trítons, assim como os Héxions, possuem uma característica fascinante que é a de produzir supersimetrias eternizantes, pois

      3 + 3 = 6,

      6 + 6 = 12, onde 1 + 2 = 3,

e novamente 3 + 3 = 6 e assim indefinidamente.

Ou seja, as supersimetrias de Trítons produzem Héxions e as supersimetrias de Héxions produzem Trítons num processo sem fim, que a Engenharia Dimensional rotulou de “Eternização”.

Enquanto suas experiências, vida após vida, não forem capazes de fazerem seus Trítons sofrerem uma total supersimetria , convertendo-os em partículas de puro afeto - os Héxions - e enquanto houver no âmago da sua essência ainda que uma pitada de indivualidade interesseira, você ficará confinado aqui na base 10.

Ser capaz de ser 100% puro afeto é o único passaporte que lhe permitirá evoluir para formas de vida mais avançadas.

Para a Engenharia Dimensional a extinção dos dinossauros poderia perfeitamente estar ligada a fatores produzidos pela maneira como sua existência transcorreu, que os confinaram inicialmente e mais adiante os aniquilaram.

O poder adquirido pelas uniões interesseiras é temporário e inevitavelmente produz um retorno à solução de realidade que existia um pouco antes delas serem criadas.

Na figura abaixo fica fácil de compreender:

 

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 

   4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 

     8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 Poder do Caçador

                7 7 7 7 7 7 7 7 7 7 

        5 5 5 5 5 5 5 5 5 

          1 1 1 1 1 1 1 1           Retorno ao Começo

 

A união de indivíduos por interesse, representados pela linha de números 1, produz pelas somas de seus pares uma linha de números 2, que representa o grupo, que produz pelas somas de seus pares uma linha de números 4, que representa o trabalho, que produz pela soma de seus pares uma linha de números 8, que representa o poder do caçador,  que produz pelas somas de seus pares uma linha de números 7, que representa o conhecimento, que produz pelas somas de seus pares uma linha de números 5, que representa as transformações, que produz pelas somas de seus pares uma linha de números 1, que representa um retorno a individualidade.

Submetida a esse caminho uma civilização cresce, social e economicamente, até atingir o estágio do poder do caçador entrando, à partir daí, em declínio, sem que nada possa fazer para impedir mais adiante a sua decadência total.

Que o digam a poderosa Roma antiga e seus similares ao longo de nossa história.

Somente uniões por afeto poderiam levar a um outro desfecho, que, com certeza, seria bem mais feliz.

Modelos capitalistas e socialistas fracassam pelo mesmo motivo: “Suas Uniões São Interesseiras”.

A forma como se adquire bens e direitos, seja comprando-os com dinheiro ou recebendo-os de um governo não faz a mínima diferença se não existir afeto que una os membros de uma sociedade além dos limites que cada grupo familiar impõe nestas questões.

E mesmo assim, nos encontramos, neste instante, num momento, profundamente triste e lamentável da história humana, dentro do qual uma pessoa já não consegue mais nem dentro da sua própria família estar segura de que, pelo menos, ali ela não será predada.

É a escassez total de afeto.

Bem pior do que escassez de crédito, juros altos, recessão e outras variáveis que os Economistas e Jornalistas adoram tanto discutir.

Enfim, se não nos movimentarmos para alterar o rumo das coisas o final desta novela será óbvio e profundamente doloroso.

Existem muitas ações que podem ser feitas para recuperar a afetividade humana, trazendo-a para um nível mais desejável e sadio.

E mudar os modelos comportamentais atuais, que batem de frente com este objetivo, torna-se fundamental, pois a educação de um povo se desenvolve mais pelos modelos de comportamento usados por seus líderes do que por conselhos e aulas de boas maneiras e de amor ao próximo.

A Engenharia Dimensional pode ser usada como uma poderosa ferramenta de transformação afetiva e atuar, no curtíssimo prazo, para que os resultados que tanto necessitamos possam surgir com maior rapidez.

Afinal de contas ela projeta Mantras para instalarem diretamente no inconsciente humano crenças capazes de alterar comportamentos e respostas do universo.

Fale e escreva, por 6 minutos, todos os dias, durante 1 ano, o Mantra

 Loarudem Gobi Genveter Zole

e veja se consegue convencer o maior número possível de pessoas, também, a usá-lo desta forma.

Este Mantra é um extraordinário produtor de Héxions e se uma quantidade muito grande de pessoas o adotarem em suas rotinas diárias poderemos assistir num curto espaço de tempo mudanças ocorrendo em cidades e até, quem sabe, no nosso País inteiro.

 

Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2016

 

 Gilson Chveid Oen

Numerologia Científica e Engenharia Dimensional



 

»  E-Mail

 

 
Se você deseja enviar um e-mail para o Gilson clique aqui